Vamos falar dos direitos dos homens

Aviso de conteúdo: misoginia, menciona violências e suicídio, referências às realidades de muitos grupos marginalizados, contém links externos.

Homens têm direitos? Homens têm privilégios? Homens são oprimidos? Homens necessitam lutar por direitos?

Parecem perguntas ridículas. Ao menos para muitas feministas e pessoas de um ou mais grupos marginalizados. Mas peço que não as vejam dessa forma. Não existem perguntas ridículas, e são perguntas mais interessantes do que aparentam ser.

Faz um tempo que vi um vídeo de uma conversa entre uma feminista e um “ativista dos direitos dos homens”. Decidi ver o vídeo, achando que ele proporcionaria mais momentos de raiva ou escárnio que qualquer outra coisa. Bem, até teve isso. Mas decidi analisar com mais calma tudo aquilo. E então tive a ideia de escrever esse texto. Diretos dos homens.

Uma retrospectiva da História antes. Revolução Francesa, um período que durou de 1789 a 1799. Tendo inspirações no pensamento iluminista, formulou-se um documento que decretava os direitos individuais e coletivos “dos homens”, a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão. É um marco importante na história dos direitos humanos. Inclusive, esse documento foi base para a Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Muites dizem por aí que a palavra “homem” se referia ao ser humano como um todo. Mas, porém, entretanto, contudo… na prática, a Declaração apenas servia aos homens mesmo, enquanto as mulheres foram esquecidas dos ilustres princípios de liberdade, igualdade e brotheragem… ops, digo, fraternidade. Tanto que, um tempo depois, formulou-se a Declaração dos Direitos da Mulher e da Cidadã; que foi rejeitada pela Convenção francesa. Mulheres exigindo os mesmos direitos que os homens ainda era algo inconcebível naquela época de “liberdade, igualdade e fraternidade”.

Na segunda onda do feminismo, década de 1960, surgiu o feminismo radical, que trouxe uma série de discussões sobre patriarcado e a origem da opressão das mulheres – que, segundo a vertente, está na existência do gênero dentro dos moldes patriarcais que conhecemos. Não vou discutir sobre o feminismo radical aqui. Vou puxar justamente a ideia do patriarcado.

A ideia de patriarcado surgiu para explicar, a princípio, como funciona a opressão dos homens sobre as mulheres. Os homens são um grupo antagônico e que possuem privilégios, enquanto mulheres são o grupo oprimido. E essa visão dicotômica já um pouco ultrapassada de “homem, privilégio; mulher, opressão” perdura até hoje.

Não é de se estranhar que vários homens, e aqui incluo reaças e antifeministas, já pontuaram várias vezes as “generalizações” que feministas fazem de homens. Não apenas discursos colocando homens como um grupo todo privilegiado, mas afirmações mais controversas como “todo homem é um estuprador em potencial”, e ideias que reafirmam alguma maldade inerente ao gênero homem.

Os feminismos trouxeram uma abertura importante para homens poderem falar de si também e dos efeitos negativos do patriarcado sobre eles. Por isso é possível encontrar grupos e espaços de homens feministas/pró-feminismo/antipatriarcado – e aqui acho válido citar o movimento Homens Libertem-Se e o saite Papo de Homem. Além disso, os feminismos trouxeram o que todo movimento social traz no mundo atual: reacionarismo. Principalmente de grupos alinhados ao direitismo e conservadorismo. Grupos antifeministas são sempre desse espectro político, muito embora antifeminismo possa existir até mesmo em grupos (ditos) progressistas e revolucionários.

Outro fenômeno que surgiu com tudo isso e o avanço da Internet foi o masculinismo, que possui diversos significados (às vezes positivos, às vezes negativos), mas aqui focarei num principal ponto: masculinistas são homens buscando lutar por “seus direitos”. Há grupos e grupos, como aqueles que reivindicam tópicos específicos – como a quebra de estereótipos nocivos ou a abolição do alistamento militar obrigatório, e aqueles que buscam “igualdade” com as mulheres em certas situações sem ter o mínimo de senso crítico ou mesmo atribuindo culpas às mulheres que as mesmas sequer têm. E, infelizmente, foram esses últimos grupos, essencialmente antifeministas, que culminaram nos ditos movimentos pelos direitos dos homens.

O que são os movimentos de direitos dos homens? Bem, são apenas isso. Movimentos pelos direitos dos homens. E o que os movimentos em prol dos direitos dos homens afirmam? Resumidamente que a classe homem tornou-se a mais oprimida ou negligenciada em detrimento da classe mulher, e que, por isso, busca reunir os homens para lutar contra isso. Os homens desses movimentos afirmam sofrer opressões, inclusive, das próprias mulheres e da sociedade atual (que agora “favorece mais as mulheres”).

Afinal, que opressões são essas que esses homens estão dizendo por aí que sofrem? Bem, num geral, são praticamente as mesmas pontuações misturadas com diversas falácias, dados falsos/duvidosos, e premissas equivocadas/distorcidas. Acredito que posso resumi-las em: cobranças sociais, taxas de expectativa de vida e suicídio, funções e direitos paternais, liberdade de expressão, e discursos generalistas negativos. Muito bem, vou falar de cada item.

As cobranças sociais. Sim, são um grande problema mesmo. E estão envolvidas nas taxas de violência e suicídio dos homens. Não é por um acaso que estão surgindo grupos de apoio de homens formados para discutir a masculinidade tóxica. Porque essas cobranças têm uma relação íntima com esse conceito. E para quem conhece a masculinidade tóxica sabe que ela é um produto do patriarcado. Mulheres podem ser sustentadoras disso tanto quanto qualquer outra pessoa, e isso não apaga o fato de que elas continuam presentes em estatísticas de violência doméstica, estupro, e feminicídio; e nem o fato de que o grupo atuante que predomina nessas estatísticas são homens.

Acontece que vejo tentativas desses movimentos em jogar a culpa das cobranças sociais na conta das mulheres, o que é, no mínimo, absurdamente desonesto. Até parece que foram as mulheres que sempre estiveram no comando da lei, religião e ciência, e criaram uma série de normas sobre ser homem e ser mulher.

As taxas. Sim, precisamos urgentemente falar delas. Realmente, homens morrem mais e se suicidam mais. Pois são outras consequências das cobranças sociais, da masculinidade tóxica, do molde nocivo que o patriarcado constrói e impõe aos homens. Apesar de ainda haver pouca visibilidade nessas questões, existem estudos e preocupações com esses fenômenos. Homens precisam urgentemente discutir sobre sentimentos e masculinidades. E isso precisa obrigatoriamente levar em conta fatores interseccionais, como raça e modalidade de gênero, visto que existem altos índices de suicídio entre homens negros e homens trans. E discutir essas questões indo nas verdadeiras raízes, nas reais causas das violências com homens e entre homens.

Não encontrei em minhas pesquisas quaisquer respostas ou ações efetivas dos tais movimentos dos homens sobre essas questões, que já são bem neglicenciadas.

Paternidade. Vamos lá, tópico polêmico. Nossa sociedade prega um modelo tradicional de família que coloca o pai como provedor e a mãe como cuidadora. Embora ambes possam participar na criação, é socialmente aceito, quase num acordo invisível, de que a criação des filhes é responsabilidade da mãe. Isso sobrecarrega qualquer pessoa, ainda mais num lar onde ambas figuras têm empregos. E com certeza deve influenciar em decisões jurídicas de guarda. Se existe uma preocupação legítima com a paternidade, os homens deveriam então focar em dividir as tarefas domésticas e de criação. Em relação aos direitos dos homens nessa questão da paternidade, já existem esses direitos (ao menos no Brasil). Não vou ficar pesquisando sobre os outros países do mundo, mas caso não haja esses direitos em algum país, esses homens precisam se mobilizar por isso sim. Sobre guarda, bom, cada caso é um caso, não sou especialista e nem juíze. Mas já existem mecanismos atuando em prol dos homens. Por isso, sim, exijam seus direitos, pois já são garantidos. E se ainda assim algum homem achar que a decisão jurídica não foi justa, ele deve proceder dentro do âmbito legal.

Agora, também pergunto aos tais movimentos dos homens: o que acham sobre os altos índices de abandono paterno e das milhares de crianças sem o nome do pai nos RGs? Também não achei opiniões e posicionamentos sobre isso, apenas acusações infundadas de que mulheres são “privilegiadas” por cuidarem des filhes e “sempre” ficarem com a guarda.

Em relação a tal liberdade de expressão, sinceramente, é difícil levar a sério. Porque aqui caímos naquela questão clássica de um grupo privilegiado de pessoas querendo fazer qualquer discurso nocivo contra um grupo marginalizado, e sentindo-se ameaçado conforme esse outro grupo ganha alguma visibilidade e voz para denunciar toda opressão que passa. Aquela falsa simetria básica, onde um grupo está lutando pela vida, enquanto o outro chora por não poder fazer mais aquelas “piadinhas” preconceituosas de sempre. E o que mais pesa aqui são declarações misóginas e retóricas sexistas.

Falando nos discursos generalistas, bem, eu vou ceder um pouquinho e dizer que eles têm um lado problemático e improdutivo. A raiz desses discursos é sem dúvida o feminismo radical, que muitas vezes coloca homens como indivíduos naturalmente ruins e opressivos. Já deveríamos ter superado isso, mesmo que seja em forma de meme ou piada. Esse tipo de atitude, mesmo sendo contra um grupo privilegiado, não ajuda e não acrescenta em nada. E, além disso, antagonizar homens é uma atitude extremamente irresponsável e mostra ignorância ou descaso com as possíveis intersecções que atravessam homens: raça, orientação, modalidade de gênero, classe, corporalidade, entre outras.

Se você acha ridícula a ideia de que é possível mulheres oprimirem homens ou fala de homens como se fossem toda uma categoria homogênea dotada de “todos os privilégios”, você precisa urgentemente rever se não está contaminade com retóricas radfem e mais do que nunca estudar interseccionalidades. Sim, mulher pode oprimir homem. E não, não é nenhum dos casos que os tais movimentos pró-homem falam por aí (até porque, nem intersecção de raça fazem).

Ah, interseccionalidades! Vamos falar sobre elas? Vamos falar sobre os muitos grupos de homens sujeitos a opressões específicas?

Homens negros e indígenas são alvos de muita violência do Estado. Homens trans ainda lutam por reconhecimento social e direitos básicos como moradia e saúde. Homens gays estão no topo das estatísticas de violência e morte por discriminação heterossexista. Homens bi/multi são invisibilizados até nas políticas públicas “LGBT”. Homens intersexo são vítimas de mutilação genital e falta de autonomia sobre seus próprios corpos. Homens gordos são patologizados e ridicularizados. Homens com deficiência possuem uma série de demandas pela inacessibilidade e são vistos como fardos. Homens da classe trabalhadora enfrentam exploração e têm seus direitos ameaçados constantemente. E eu poderia ficar aqui me estendendo com mais e mais exemplos, mas o resto e muito mais pode ser encontrado com uma pesquisa feita na boa vontade.

Não há como discutir realmente os direitos dos homens sem levar em conta toda construção patriarcal e ocidental de gênero, e sem incluir as pautas raciais, heterodissidentes, cisdissidentes, trabalhistas, das PCDs e des neurodivergentes, etc etc etc. Enquanto há questões inerentes ao patriarcado e que podem atingir homens em geral, há questões mais específicas de outras estruturas opressivas (que podem piorar as questões gerais).

Agora eu vos pergunto: esses tais movimentos a favor dos “direitos dos homens” estão falando dessas questões? Quantos estão abordando as questões gerais da maneira mais adequada, com olhar crítico, sem praticar falsas simetrias, sem tirar a culpa do patriarcado, e sem jogar alguma culpa desmedida em mulheres? Se as questões que atingem os homens não estão considerando o patriarcado e todas as possíveis interseccionalidades, afinal, o que exatamente esses grupos estão fazem em prol dos homens?

Se não há nada disso, a única coisa que podemos concluir é que esses grupos são apenas aglomerados de machistas sem práxis, articulação política, demandas válidas, nada que proponha mudanças sociais ou que seja capaz de realizá-las. Não apenas isso, como também são apenas mais uma forma do antifeminismo, e isso fica evidente considerando o quanto focam em atacar os movimentos feministas, se utilizando também de sexismo e misoginia, dados falsos ou inventados ou sem nenhuma fonte, e negação do gênero como um fator que incentiva violências específicas contra a mulher.

Por isso temos movimentos antifeministas como A Voice for Men (tradução literal: Uma Voz para Os Homens), que dizem lutar pelos “direitos dos homens”, mas acabam sendo apenas redutos sexistas que legitimam a imensa misoginia e as visões distorcidas do mundo de homens obscurantistas e negacionistas, que de bônus odeiam também outros grupos marginalizados. Basta analisar os discursos de seus membros e ver suas postagens e entrevistas.

Gênero é um assunto complexo e não pode ser resumido a “todos os homens têm privilégio e oprimem todas as mulheres.” É coerente dizer que o patriarcado por si só, a princípio, tende a conferir privilégios aos indivíduos homens. Mas vivemos numa sociedade que não é apenas patriarcal, mas também é racista, diciseterossexista, capacitista, entre outras opressões. Uma luta a favor dos homens deve ser uma luta a favor de todos os homens. Muitos direitos sociais estão garantidos, na teoria. Na prática, nota-se quais homens são mais privilegiados e quais são menos. Pra haver igualdade, estruturas hegemônicas de poder precisam ser derrubadas. E é esse comprometimento que se espera dos homens envolvidos em suas respectivas causas sociais, assim como os homens aliados dessas, e assim como os grupos de homens que estão se reinventando e buscando a verdadeira libertação do gênero homem.

Um movimento a favor dos direitos dos homens só faz sentido se for um movimento essencialmente antipatriarcal e interseccional. Somente assim, seguindo esses vieses, que podem ir até a raiz dos problemas, de tudo que falta aos homens, de toda opressão possível de atingir os homens. É esse movimento que podemos e devemos construir.

Links adicionais:

Documentário: The Mask You Live In (Legendado)

Colocamos uma feminista e um ativista dos direitos dos homens para conversar (sem que eles soubessem) (aviso de conteúdo: discursos antifeminismo, misoginia.)

“Mulheres são privilegiadas. Mude minha opinião.” (aviso de conteúdo: discursos antifeminismo, misoginia.)

“Homens são privilegiados. Mude minha opinião.” (aviso de conteúdo: essencialismo de gênero, argumentações liberais e religiosas, discursos antifeminismo.)

Outerinidade

Aviso de conteúdo: contém links externos.

Este é outro conceito formulado por mim em meio a pesquisas e reflexões minhas sobre gênero. Isso foi em 2018, e a postagem onde citei o termo pela primeira vez é essa.

Dentro desse tema, existem quatro grandes projeções/arquétipos/essências/qualidades usades para explicar e/ou definir identidades de gênero, expressões de gênero, e experiências relacionadas a gênero. Elus são: feminine, masculine, neutre e andrógine. Ou seja, aqui temos quatro conceitos: feminilidade, masculinidade, neutralidade e androginidade. Além desses, podemos incluir a nulidade (a ausência de gênero) e a xeninidade (concepções de gênero totalmente fora de lógicas e ideias humanas ou convencionais).

Pois bem. Apesar disso tudo, dentro do que sei e entendo, percebi que faltava ainda mais um conceito, um conceito que pudesse englobar o que não era feminine, masculine, neutre, andrógine, mas que não era também nule, nem xenine.

Já existe na anglosfera esse mesmo conceito, mas com um nome derivado de duas identidades de gênero: maverique e aporagênero. Eu quis cunhar um novo nome e conceito por motivos de: não queria algo que remetesse a essas identidades específicas e suas definições, não queria algo que implicasse ter relação com identidades criadas num contexto ocidental, e queria uma palavra nova e mais abrangente sem controvérsias.

Pensei e pensei, e me veio outerine; consequentemente, o adjetivo outerinidade.

Antes de tudo, ressalto que outerine não é xenine, pois ainda é uma concepção que existe dentro de lógicas e ideias humanas e convencionais. É apenas tudo que preenche um vácuo deixado entre os quatro conceitos “principais”, e que também é algo presente (ou seja, não é nule). E não é apenas ume quinte (ou sétime) projeção/arquétipo/essência/qualidade. Outerine engloba tudo que ainda não tem um nome, e que não pode ser explicado apenas pelos conceitos que já existem.

Costumo fazer analogias com cores quando vou falar desses assuntos. Vou colocar dessa forma: se feminine é rosa, masculine é azul, neutre é cinza, andrógine é roxo, e nule é transparente, outerine seria amarelo, verde, laranja, etc. Poderia até ser as cores que humanes não conseguem ver, como infravermelho e ultravioleta. E xenine? Bem, pode até ter todas as cores possíveis, mas é um conceito que vai muito além disso.

Tudo isso é extremamente subjetivo, mas ainda coisas que podemos imaginar, mentalizar, experienciar, ou sentir de alguma forma. Portanto, outerinidade fará mais sentido para quem consegue se encaixar de alguma forma nesse conceito.

Enfim. Explicando com exemplos mais concretos, outerine pode ser algo:

  • totalmente único e sem relação nenhuma com os conceitos anteriores; ou
  • que, embora seja único, pode ainda ser comparado com os conceitos anteriores; ou
  • novo que surge de combinações entre dois ou todos os conceitos anteriores.

Vou dar exemplos de identidades que são ou podem ser outerinas e explicar cada um:

Maverique: dentro de seu conceito, outerine faz todo sentido.

Aporagênero: dentro de seu conceito, outerine faz sentido, embora pessoas não precisem se encaixar estritamente na definição.

Egogênero: um gênero único e exclusivo da própria pessoa pode ser outerino.

Antigênero: a “qualidade oposta” de um gênero pode ser outerina, visto que a ideia de oposto aqui não é algo como “feminine-masculine”.

Intergênero: um gênero influenciado por intersexualidade pode ser outerino, se qualquer outro conceito não se aplicar aqui.

Neurogênero: um gênero influenciado por neurodivergência pode ser outerino, se não for xenino e não puder ser explicado por nenhum outro conceito.

– Qualquer identidade indefinida/desconhecida/incompreensível: se nada do que já existe consegue descrevê-la, talvez outerine consiga ou possa servir.

– Qualquer identidade com definições muito amplas: alguém que se define apenas como não-binárie, ou genderqueer, ou homem não-binárie/mulher não-binárie, e etc pode talvez explicar sua identidade como outerina.

Identidades culturalmente restritas: se e somente se a pessoa acreditar que todos os conceitos já mencionados não se aplicam à sua identidade, e deseja um conceito para se descrever.

Com certeza poderia haver outros exemplos, mas acredito que até aqui está evidente quais identidades de gênero são ou podem ser outerinas por natureza.

Ressaltando que outerine não é algo apenas para identidades. Pessoas também podem definir sua expressão de gênero como outerina, ou dizer que seu gênero tem alguma conexão com outerinidade, enfim.

Ah, e só de curiosidade, um ano depois de eu formular esse conceito acabei descobrindo que o mesmo serve para descrever minha própria identidade de gênero. Coisas da vida, né?

Acredito que isso é tudo que eu poderia explicar sobre o conceito de outerinidade.

Não-conformidade de linguagem

Aviso de conteúdo: exorsexismo, colonização, contém links externos.

Não-conformidade de linguagem é um conceito que formulei em 2018. Aqui, nesta postagem, explorarei melhor as implicações e os usos desse conceito. Mas quem tiver curiosidade pode ver a postagem original aqui.

Em termos gerais, uma pessoa não-conformista de linguagem (NCL) é toda pessoa que não usa uma linguagem de gênero aceita dentro de um idioma, ou imposta de acordo com determinada identidade de gênero.

Portanto, as pessoas inclusas nesse conceito são:

– pessoas binárias que usam exclusivamente a outra linguagem não associada a seu gênero;

– pessoas não-binárias que usam exclusivamente a outra linguagem que não lhes foi designada;

– pessoas que usam exclusivamente ou não uma sintaxe neutra possível;

– pessoas que usam ambas as linguagens validadas num idioma binarista;

– pessoas que usam uma linguagem validada dentro do idioma, mas não prevista para ser usada por alguém;

– pessoas que usam neolinguagens e outras opções fora das normas;

– e pessoas que usam qualquer ou todas as linguagens possíveis.

O conceito foi pensado mais no contexto da língua portuguesa, que tem vários elementos que compõem uma linguagem pessoal (artigos, pronomes, desinências, etc). Dependendo do país e seu idioma, o nome pode ser adaptado para “não-conformidade de pronome” (ex: inglês) ou alguma outra opção. A ideia continua a mesma.

Pensei nesse conceito tendo como inspiração o conceito de não-conformidade de gênero (NCG), que é toda pessoa com uma expressão de gênero fora das normas sociais. Tecnicamente, NCLs estão dentro de NCG, pois a linguagem pessoal é parte da expressão de gênero.

O conceito foi formulado considerando a questão específica do exorsexismo linguístico ou do binarismo de gênero refletidos em idiomas e suas culturas.

Logo, não é uma questão que atinge pessoas binárias (cis, trans, ipso, etc) que estão de acordo com a linguagem atribuída a seus gêneros, e que usam exclusivamente essa linguagem. Pessoas cis têm o respeito a sua linguagem garantido, enquanto pessoas cisdissidentes terão a linguagem respeitada ao terem seu gênero reconhecido (o desrespeito nessa situação envolveria cissexismo, mas sem exorsexismo).

Essa questão talvez não atinja também pessoas fora do binário de gênero que usem exclusivamente a linguagem designada e que estão confortáveis ou em harmonia com ela (mas ainda sejam alvos das demais formas de exorsexismo). Dou ênfase nisso, pois nem toda pessoa que usa apenas a linguagem designada a usa por livre e espontânea vontade, como nos casos de pessoas que desconhecem neolinguagem ou que são nativas de um idioma sem uma alternativa proposta (ex: japonês). Confesso que isso não foi algo que considerei quando formulei o conceito.

E, falando no contexto latino-americano, esse conceito pode ou não fazer sentido para travestis. O consenso atual é que travesti é uma identidade transfeminina, e que o uso de a/ela/a é padrão para esse grupo, da mesma forma que é para mulheres. No entanto, temos as seguintes duas questões: a) travesti não é um gênero reconhecido pelo sistema vigente, ao contrário de mulher; e b) há travestis que ainda usam o/ele/o e/ou neolinguagens. Acredito que o melhor é deixar a pessoa decidir se o conceito vale ou não para ela e sua realidade.

Caso o quinto item sobre pessoas inclusas no conceito não tenha ficado compreensível, esse conceito engloba pronomes neutros aceitos ou em processo de aceitação em idiomas com uma estrutura binarista, o que inclui o they singular no inglês e o hen no sueco. E também pronomes usados para tudo que não for humano sendo reclamados por humanes, como o pronome it do inglês.

Esse conceito pode não fazer sentido em idiomas com apenas uma opção de linguagem pessoal (ex: cantonês tem só um pronome pessoal) ou sem marcadores de gênero (ex: coreano, ainda que possua marcadores opcionais), ou em culturas com mais de duas identidades de gêneros reconhecidas e que possuem linguagens atribuídas a elas (ex: pessoas hijra). No entanto, esse conceito pode fazer algum sentido em culturas com idiomas originalmente mais neutros ou sem gênero que sofreram ou ainda sofrem influências ocidentais de colonização.

Segue abaixo uma bandeira de orgulho feita para NCLs:

Uma bandeira composta por cinco faixas. A primeira e a última faixas são maiores e do mesmo tamanho, enquanto as três do meio são menores e do mesmo tamanho. As cores são, de cima para baixo, violeta, bege, branca, violeta, bege.

Créditos a arco-pluris pela bandeira. A postagem original (em inglês) está aqui.

Concluindo, é um conceito que pode ser útil. Pode ser apenas um descritor, ou pode ser também uma identidade de orgulho; assim como NCG. Sintam-se à vontade para usar!

Os argumentos contra a neolinguagem

Aviso de conteúdo: discursos antineolinguagem, cissexismo e exorsexismo, elitismo, capacitismo, contém ironias, contém links externos.

O título é uma pegadinha. Vocês jamais me verão argumentando contra a neolinguagem. Não. O que postarei aqui são respostas para os supostos argumentos contrários a ela.

Praticamente todas as vezes em que vi esse assunto bombando e tendo repercussão foram por postagens de pessoas contrárias a ele (principalmente e quase sempre feministas radicais) (pois elas parecem ser muito desocupadas). E os “argumentos” são sempre os mesmos.

Caso não tenha ficado evidente, esse texto é direcionado para pessoas a favor da neolinguagem e que desejam embasar melhor sua defesa do tema, pessoas que gostariam de entender melhor os motivos da existência dela e por que ela é válida, ou pessoas que até então estão contra ou resistentes a ela mas abertas a entender “o outro lado da história”.

Colocarei aqui os principais “contra-argumentos” à neolinguagem que, como falei, são sempre repetidos por opositories, e explicarei por que cada um deles não tem validade. Focarei em argumentações mais elaboradas, não em opiniões simplórias como “isso não vai pegar” ou “apenas acho desnecessário”.

Para ler sobre neolinguagem, clique aqui.

Para ver listas de termos usados no texto, clique aqui e aqui.

  • Inacessibilidade

É nesse momento que um monte de gente na Internet decide se preocupar com populações periféricas, com o analfabetismo, e com as necessidades de PCDs e neurodivergentes.

E nesse monte de gente vamos encontrar pessoas que: escrevem palavras abreviadas, palavras estrangeiras, usam caracteres especiais, não pontuam postagens, não descrevem qualquer imagem que postam, entre muitas outras ações que tornam a Internet um lugar excludente, difícil ou intolerável para qualquer um desses grupos.

Muito bem, hipocrisias à parte, vamos focar na ideia: “A neolinguagem é inacessível para essas pessoas, portanto é elitista e capacitista. Ela não chega na periferia, não pode ser aplicada num país com tanta gente analfabeta, não pode ser adaptada para pessoas cegas ou surdas, e não consegue ser aprendida ou entendida por quem tem dislexia ou autismo.” É tudo isso que é dito e repetido pela oposição.

Instrumentalizar pessoas periféricas, analfabetas, com deficiência e neurodivergentes tem apenas dois nomes: elitismo e capacitismo. E não se surpreendam ao reparar que a grande maioria das pessoas que invoca esses grupos na contra-argumentação sequer pertence a um ou mais desses grupos; e aqui temos um agravante, que é o roubo do local de fala.

Tratar pessoas periféricas como incapazes de aprender novas informações, julgar o que é ou não é necessário nas periferias, e tratar as periferias como uma grande entidade homogênea (tanto que falam sempre no singular, “a periferia”) é elitismo.

Utilizar-se de um problema estrutural na educação para justificar não haver mudanças válidas na linguagem é hipócrita, contraditório e elitista também.

Essa preocupação falsa ou superficial com pessoas cegas e surdas, além de condescendente e ridículo, é capacitista. O braile pode ser facilmente adaptado e libras é uma língua em que marcadores de gênero são mais opcionais que inevitáveis (na maior parte sequer existem).

Usar as pessoas disléxicas e autistas é subestimar as capacidades dessas pessoas e ignora que as mesmas barreiras e dificuldades que elas poderiam ter com o assunto podem ter com muitos outros assuntos (como a própria língua padrão, matemática, etc); ou seja, capacitismo de novo, além da homogeneização desses grupos.

Felizmente, muitas pessoas de regiões periféricas e neurodivergentes se pronunciaram contra esses posicionamentos e a instrumentalização cometida contra elas (embora nem todas fossem totalmente a favor da neolinguagem). E são elas que deveriam estar mesmo opinando sobre esses aspectos de acessibilidade.

Uma coisa cômica nesses argumentos é a insistência dessas pessoas (quase sempre cis) de que ainda há gente propondo o uso de xis e arroba (de fato, inacessíveis). Se é para contra-argumentar, ao menos se atualizem; já faz anos que muitas pessoas trans/n-b estão falando contra o uso desses caracteres e tentando difundir uma neolinguagem mais acessível e possível de ser aderida (que, no caso, é exatamente essa que utilizo aqui no blogue).

Há gente que afirmou que até mesmo a flexão –e não é reconhecida por leitores de tela. Ou isso é uma mentira deliberada, ou é apenas desinformação. A preocupação com leitores de tela é pertinente, pois precisariam ser configurados para ler corretamente palavras modificadas e neologismos. É um problema simples de se resolver. Mas, sim, leitores de tela já são capazes de entender muitas palavras flexionadas com –e.

Gente querendo usar braile, libras e leitores de tela num argumento, mas evidentemente sem nem conhecer a fundo como essas coisas funcionam… Preciso mesmo levar isso a sério?

“Mas o analfabetismo não é um problema para tudo isso?”

Com certeza traz dificuldades, mas pessoas não apenas leem e escrevem como também falam. E mais, se uma nova linguagem não pode existir por causa desse problema estrutural, então que cancelemos novos acordos ortográficos, a própria norma culta da língua, ou mesmo dialetos como o pajubá e regionalismos. Ou melhor, vamos cancelar todos os ativismos sociais devido ao tanto de gente ignorante ou sem contato com eles.

Ah, e mais coisa: se recusar a respeitar a linguagem de gênero de alguém porque há pessoas ignorantes sobre ela não faz sentido e só comprova seu preconceito.

  • Morfologia

“O latim perdeu o gênero neutro, que se assimilou ao gênero masculino; ‘o’ indica a ausência de gênero, portanto o masculino já é neutro.”

Quem usa a morfologia do gênero gramatical como defesa é tão incoerente quanto quem justifica significados literais de certas palavras por causa de prefixos e sufixos (como quem defende que atração bi deve se referir a apenas dois gêneros por causa do prefixo bi). A sociedade faz a linguagem. A linguagem reflete uma realidade; ela não existe antes para então moldar a realidade.

Primeiro de tudo, ninguém está desconsiderando o processo da transformação do latim para o português atual. Inclusive, esse processo foi e está sendo considerado em estudos acadêmicos sobre neolinguagem. É um tanto cômico ver isso sendo usado contra a proposta, pois vejo esse fato como mais um ponto favorável à existência de um gênero gramatical neutro.

Agora, existe uma coisinha chamada sociolinguística. É uma área que estuda a relação entre uma língua com a sociedade. Isso é o que estudos feministas e de gênero estão discutindo há muito tempo. A morfologia é a morfologia, e só gente com um acesso amplo à informação saberá disso. Mas ninguém ensina essa morfologia à sociedade num geral.

Desconsiderar a influência de uma língua numa sociedade ou é muita alienação ou é uma falácia descarada. De repente a sociedade se desconstruiu e parou de associar a linguagem o/ele/o com homens, exclusiva ou primariamente? Quando isso aconteceu?

E não me venham com “a língua não precisa ser inclusiva” ou “a língua não é opressiva”. São as línguas que devem se adequar aos indivíduos, e não o contrário. E se a língua não pudesse ser opressiva, termos pejorativos ou segregacionistas não existiriam.

Estamos falando de uma estrutura que parte de três princípios: que o gênero masculino é universal e padrão, que só podem existir dois gêneros, e que gênero e sexo são a mesma coisa. Temos aqui um combo de machismo e cissexismo-exorsexismo. E a neolinguagem procura romper exatamente com tudo isso; o que é inevitável, pois está tudo junto e misturado.

Mesmo se a linguagem o/ele/o fosse mantida como neutra universal e uma terceira opção gramatical fosse inclusa, não faria sentido usá-la para se referir a um grupo de pessoas que usam a/ela/a e essa terceira opção (ex: ela + elu = eles?).

Haverá mais elaboração disso no próximo tópico, pois é quase uma continuação das ideias.

  • Gênero ≠ Sexo

“Gênero gramatical não tem a ver com sexo. É só como a língua se estruturou.” E, de repente, a língua deixou de ter qualquer influência sobre o meio social! Que milagre, né?

Ora, se gênero gramatical não tem absolutamente nenhuma relação com sexos, então por que não criamos todas as pessoas com qualquer linguagem de gênero? Por que insistimos em tratar animais machos por o/ele/o e animais fêmeas por a/ela/a?

Ninguém cria bebês de qualquer sexo por o/ele/o por ser “o bebê”, ninguém trata uma pessoa barbuda e musculosa por a/ela/a por ser “a pessoa”. Não sei que sociedade desconstruída é essa, mas com certeza não é a nossa.

E esse argumento absurdamente furado desconsidera também a sociolinguística, como já foi explicado no tópico anterior.

Já que os gêneros gramaticais nunca foram impostos a pessoas (e seres) por seus sexos, então que todas as pessoas adotem e sejam desde sempre criadas e tratadas por qualquer linguagem de gênero. Isso é o mais coerente de ser feito, não? Por que isso nunca foi feito?

Não, vamos dar um passinho para trás e voltar à questão da neutralidade padrão. Supondo então que não há nada de errado com a norma de se referir a todos os gêneros por o/ele/o. Por que então não falamos “os gestantes”, já que homens trans existem e há aqueles que engravidam? Por que não fazemos propagandas de conscientização ao câncer de mama e convocamos a “todos” para fazer o exame, já que homens trans existem e há aqueles que possuem seios?

Com exceção dos objetos, há uma estrutura que associa gênero gramatical com sexo, sim. Se chama cissexismo, e não é novidade para pessoas cisdissidentes. E ainda é uma estrutura exorsexista, pois, caso não fosse, haveria um gênero gramatical para pessoas intersexo (ao menos aquelas com genitálias atípicas) ou para seres hermafroditas e assexuados. Esse argumento todo deveria ganhar um prêmio de “negação absurda e arbitrária da realidade”.

Bônus: feministas radicais adoram falar numa abolição de gênero, mas não aceitam ser referidas por o/ele/o (neutralidade padrão) e nem aceitam a proposta de um gênero neutro universal pela neolinguagem. Lógica? Não existe.

  • Estrangeirismo

Muito bem, esse pseudoargumento tem um pontinho de justificativa para existir. E isso, infelizmente, é culpa da comunidade trans/não-binária brasileira. Porque a comunidade importou, literalmente e de forma impensada, o modelo de linguagem anglófono.

Na língua inglesa, a linguagem pessoal se resume a pronomes (e adjetivos possessivos). Na língua inglesa, faz sentido alguém descrever sua linguagem como, por exemplo; pronome pessoal, pronome de objeto e pronome possessivo.

Na língua portuguesa, não. Porque na língua portuguesa existem os artigos e as flexões de gênero, pronomes são uma parte da linguagem, e, com todo respeito, descrever sua linguagem como “pronome pessoal/contração do pronome com a preposição de” é ridiculamente redundante nesse idioma (curiosidade: dele, dela, delu, etc nem são pronomes de acordo com a gramática). A importação foi tão forte que muitíssima gente reduz linguagem pessoal a “pronomes”; isso, gramaticalmente, é muito errado e sem sentido.

Mas, continuando, a merda está feita e percebo que ainda vai demorar que haja aderência ao sistema APF (artigo/pronome/flexão). Mesmo assim, isso não sustenta o argumento em si. A importação da linguagem foi feita de maneira ruim, mas os motivos por trás disso são legítimos; afinal não existe pessoas não-binárias e/ou não-conformistas de linguagem apenas na anglosfera.

Não duvido que os pronomes neutros do inglês tenham sido inspiração para a formulação e implementação da neolinguagem. Podem até ter sido o estopim (não tenho informação suficiente para afirmar ou negar isso).

Só que, independentemente da resposta, o pensamento de que “isso não é válido porque veio de fora” é muito ridículo de tão simplista e raso. Mais ridículo que isso é acusar a neolinguagem de estar impondo um estrangeirismo à língua portuguesa, sendo que ela está sendo construída totalmente dentro da gramática do idioma e se adequando a suas particularidades.

E, como já falei, línguas que devem se adequar ao indivíduo. E a língua padrão atual é incapaz de se adequar a pessoas de outros países que utilizam uma linguagem pessoal que não seja associada aos gêneros binários. Não é justo com elas. Nem justo com outras pessoas daqui, da lusosfera, que existem e que também são excluídas da própria língua, e agora estão tendo voz para falar e demandar que sua individualidade seja respeitada. E foda-se que se inspiraram em algo de fora, se isso as fez enxergar possibilidades melhores.

“Estrangeirizar” a língua seria, no máximo, utilizar palavras de outras línguas de forma indiscriminada, coisa que ainda fazemos muito e deveríamos parar quando possível. Entendo que há palavras muito difíceis de traduzir ou adaptar, mas termos como “deadname” (nome morto) ou “misgender” (maldenominação) possuem tradução e adaptação possíveis.

Ah, é até possível que palavras modificadas ou novas acabem ficando muito parecidas ou idênticas com palavras de outras línguas latinas, o que também pode parecer estrangeirismo. Porém, não vejo por que isso deveria ser um problema, pois as línguas latinas são muito próximas e não é absurdo línguas diferentes terem palavras iguais.

Se o problema aqui é importar, vamos então criticar outras importações? Muito raramente alguém adapta a palavra gay para algo mais “aportugueisado” (guei). As identidades lésbica, bissexual e transexual/transgênero são traduções de palavras cunhadas na anglosfera. Que tal devolvermos essas palavras à língua original e cunharmos nossas próprias ou usarmos o que já existe aqui (viado, bicha, sapatão, etc)? Que tal usarmos uma sigla cunhada aqui mesmo? Porque usar isso só contra neolinguagem ou termos como queer é bem desonesto e hipócrita.

Conclusão:

Todas essas argumentações não são e nunca foram fundamentadas em análises críticas ou preocupações reais. Acredito que existe um fortíssimo viés exorsexista por trás disso, mas também deve incluir uns conformismos (preguiça de aprender uma linguagem nova) e um sexismo básico (não querer que “o masculino” perca seu posto de universal e padrão).

Outras constatações furadas incluem gente afirmando que “as pessoas não-binárias querem obrigar todo mundo a usar neolinguagem”, que “querem que isso seja aprendido de um dia pro outro”, e que “idoses não vão entender”. Tudo isso é mais exageros e invenções descaradas que fazem para reforçar a oposição.

Pessoas não-binárias não têm qualquer mínimo poder de obrigar alguém a usar uma linguagem diferente, ninguém com bom senso espera que a língua vai se modificar em tão pouco tempo (nunca nem vi alguém achando isso), e, por fim, instrumentalizar idoses se chama etarismo (além de que ninguém necessita da validação de um grupo etário).

Enfim. Continuo aguardando argumentos legítimos contra a neolinguagem.

Links adicionais:

Em defesa da neolinguagem

Neolinguagem: um futuro inclusivo e contra o cistema

O “X” da questão: gênero na escrita | Papo de linguista | Jana Viscardi (aviso de conteúdo: contém palavras capacitistas.)

Linguagem neutra: principais críticas

8 polêmicas sobre gênero neutro na língua | Jana Viscardi

A não-binaridade de bichas e sapatonas

Aviso de conteúdo: ciseterossexismo, desgenerização, termos pejorativos ressignificados, menciona assimilacionismo e colonialismo.

Muita gente deve ter na cabeça alguma ideia do que é bicha ou sapatão. O senso comum reconhece esses termos apenas como sinônimos (ainda pejorativos) de gay e lésbica.

Assim como ocorreu com queer nos Estados Unidos, corpos dissidentes com alguma consciência ou politizados o suficiente pegaram os termos para si e os ressignificaram; de ofensas a palavras que carregam orgulho e resistência.

Para algumas pessoas continuam sendo sinônimos do que já são; gays ou lésbicas. Contudo, há pessoas multi que também fazem uso dessas palavras, ampliando seu significado.

Para outras pessoas, essas palavras são mais do que isso: são identidades!

Enquanto há homens e mulheres se reafirmando gays/lésbicas ou multi, há outros corpos se reafirmando apenas como bichas e sapatonas. E só.

O que pode causar estranheza e atrair opiniões discordantes, visto que, em meio a esse turbilhão de novas informações e formulações de conceitos, muita gente dos movimentos sociais se empenhou muito em colocar gênero e orientação como aspectos separados, e não está disposta a aceitar identidades que os misturem.

Como tudo na vida, nada é absoluto. Nem todos os corpos desejam manter esse separatismo tão estrito; pois, para eles, não serve e não faz sentido.

Existem contextos sociais diferentes, recortes diferentes, experiências de vida diferentes. Não é por um acaso que essas identidades são tão presentes nas regiões periféricas; locais onde tanta informação e tão lindamente catalogada muitas vezes nem chega em sua totalidade, ou não consegue ter o mesmo valor e impacto.

Para muita gente desde sempre dissidente, desde sempre dando sinais de estar fora das (cis)(hetero)normas,” homem” e “mulher” devem ter perdido o sentido à medida que tais termos foram negados a esses corpos. Muitos desses corpos nunca foram tratados como homem ou mulher, apenas como “coisas”, como só bicha e sapatão. Muitos desses corpos não puderem se dizer homem ou mulher, apesar da designação de gênero.

Em meio a contextos em que concepções formuladas pela academia não chegam, e onde as pessoas não são nem permitidas de ser homem ou mulher, não é nada absurdo que os corpos procurem outras palavras para se nomear e assim ter uma posição na sociedade, no mundo; dar um sentido ao que são, a sua existência. E os nomes surgiram: bicha e sapatão.

E o que tudo isso tem a ver com a tal da não-binaridade de gênero? Bem, acredito que até aqui é um pouco evidente. Mas me explicarei melhor.

As identidades bicha e sapatão sempre estiveram mais próximas da não-binaridade do que do binômio de gênero. Afirmar-se homem ou mulher heterodissidente é diferente de ser bicha ou sapatão. Afirmar-se ainda homem e mulher fora da heteronorma têm suas lutas e demandas, com certeza; mas, ainda assim, estão se posicionando dentro de um binário imposto e vigente. E ser binárie tem seus privilégios.

Mas afirmar-se bicha e sapatão é negar até mesmo uma posição dentro desse binário. É colocar-se fora da própria cisnorma.

Existe uma força incrível e uma beleza incomparável numa identidade que combina gênero e orientação, que torna essas características unas; ambas unidas contra a cisnorma e a heteronorma (ou melhor, a ciseteronorma). É uma pena que assimilacionistas não percebam isso.

Muitas pessoas bichas e sapatonas avançaram com suas demandas e seus posicionamentos políticos dentro do território da não-binaridade sem nem saberem sobre esse conceito. E a não-binaridade sempre esteve e continua estando aqui para acolher e fortalecer esses corpos fora das caixinhas homem-mulher.

E eles não precisam tanto assim se encaixar numa das consagradas letrinhas de alguma sigla do movimento. Não é necessário outro B ou um S (que não é mais de simpatizante). O identitarismo dessas dissidências vai mais além disso, trazendo junto marcas fortes de raça e classe. Sua movimentação sempre seguiu por fora de movimentos convencionais. E assim continuará, se necessário (tem muita gente fora dos movimentos convencionais, acreditem).

Ainda faço uma ressalva especial aos corpos racializados que são bichas/sapatonas; que, mesmo sem saber, estão fazendo um resgate histórico; pois o binômio de gênero é um regime de origem eurocêntrica, e como tal foi imposto a todas as culturas ameríndias, asiáticas e africanas que aceitavam mais de dois gêneros ou outros gêneros além de homem e mulher (que também possuíam concepções diferentes das atuais).

Embora não tenhamos um equivalente próprio de queer no país, bichas e sapatonas têm muito de uma essência queer em si; desde a autoidentificação até suas ações.

Se queer for “gringo” demais e se espaços G e L falharem em incluir esses corpos, o meio não-binário ao menos estará sempre aqui para apoiá-los. No meio não-binário não somos e nunca seremos hétero; e muites de nós já somos (total ou parcialmente) ou um dia fomos apenas bichas e sapatões. Assim como também transviades, fanchas, travesti-macho, e mais.

E concluo dizendo que bichas e sapatonas e pessoas não-binárias num geral têm muito em comum e deveriam somar forças. E uma união assim é algo que podemos muito bem dizer que se compara ao que queer trouxe na anglosfera: uma filosofia antiassimilacionista e permanentemente contranormativa, indo na contracorrente até dos próprios movimentos convencionais com suas novas imposições de ser e agir.